Estudo bíblico Bíblia online Estudo bíblico Procura-se Alvo Jovem Alvo Missionário Fatos e fotos Curiosidades Testemunhos Pedidos de oração Mensagens de fé Alvo Musical 24h No Alvo da Verdade No Alvo da Verdade Alvo

Clique para baixar

O que é o dom de falar em línguas? É o dom de falar em línguas para os dias de hoje?

Pergunta: “O que é o dom de falar em línguas? É o dom de falar em línguas para os dias de hoje?”

Resposta: A primeira ocorrência de falar em línguas ocorreu no Dia do Pentecostes em Atos 2:1-4. Os apóstolos saíram e compartilharam o Evangelho com as multidões, falando a elas em suas próprias línguas, “Cretenses e árabes, todos nós temos ouvido em nossas próprias línguas falar das grandezas de Deus” (Atos 2:11). A palavra grega traduzida “línguas” significa literalmente “idiomas”. Por esta razão, o dom de falar em línguas é falar em uma língua que não se sabe falar a fim de ministrar a uma outra pessoa que fala esta língua. Em I Coríntios capítulos 12-14, onde Paulo discute os dons milagrosos, ele faz o seguinte comentário: “E agora, irmãos, se eu for ter convosco falando em línguas, que vos aproveitaria, se não vos falasse ou por meio da revelação, ou da ciência, ou da profecia, ou da doutrina?” (I Coríntios 14:6). De acordo com o Apóstolo Paulo, e de acordo com as línguas descritas em Atos, falar em línguas é de grande valor para o que ouve a mensagem de Deus em seu próprio idioma, mas de nada serve para os demais, a não ser que haja uma interpretação, ou tradução.

A pessoa com o dom de interpretar línguas (I Coríntios 12:30) poderia entender o que uma que fala as línguas estivesse dizendo mesmo que ela não soubesse a língua sendo falada. O intérprete de línguas então comunicaria a mensagem do que fala línguas a todos os demais, e todos poderiam entender. “Por isso, o que fala em língua desconhecida, ore para que a possa interpretar” (I Coríntios 14:13). A conclusão de Paulo a respeito de línguas não interpretadas é poderosa: “Todavia eu antes quero falar na igreja cinco palavras na minha própria inteligência, para que possa também instruir os outros, do que dez mil palavras em língua desconhecida” (I,Coríntios,14:19).

É o dom de línguas para os dias de hoje? I Coríntios 13:8 menciona que cessa o dom de línguas, apesar de conectar este cessar com a chegada do “perfeito” em I Coríntios 13:10. Alguns apontam para uma diferença na língua na profecia e conhecimento “cessando” com línguas “sendo cessadas” como prova para línguas cessando antes da chegada do “perfeito”. Mesmo sendo possível, isto não é explicitamente claro a partir do texto. Alguns ainda apontam passagens como Isaías 28:11 e Joel 2:28-29 como prova de que o falar em línguas era um sinal do julgamento vindouro de Deus. I Coríntios 14:22 descreve línguas como um “sinal para os infiéis”. De acordo com esta discussão, o dom de línguas foi uma advertência para os Judeus de que Deus julgaria Israel por rejeitar Jesus Cristo como Messias. Por isto, quando Deus de fato julgou Israel (com a destruição de Jerusalém pelos Romanos em 70 D.C.), o dom de línguas não mais serviria para os propósitos planejados. Enquanto esta visão é possível, o propósito principal das línguas, sendo cumprido, não necessariamente exige que elas então cessem. As Escrituras não afirmam conclusivamente que o dom de falar em línguas já cessou.

Ao mesmo tempo, se o dom de falar em línguas fosse ativo na igreja hoje, seria executado de acordo com as Escrituras. Seria uma linguagem real e inteligível (I Coríntios 14:10). Seria para o propósito de comunicar a Palavra de Deus com uma pessoa de outra língua (Atos 2:6-12). Estaria de acordo com a ordem dada por Deus através do Apóstolo Paulo: “E, se alguém falar em língua desconhecida, faça-se isso por dois, ou quando muito três, e por sua vez, e haja intérprete. Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja, e fale consigo mesmo, e com Deus” (I Coríntios 14:27-28). Estaria também em submissão a I Coríntios 14:33: “Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos.”

Deus certamente pode dar à pessoa o dom de falar em línguas para capacitá-la a se comunicar com uma pessoa que fala uma outra língua. O Espírito Santo é soberano na distribuição de dons espirituais (I Coríntios 12:11). Imagine só quanto mais produtivos poderiam ser os missionários se não precisassem freqüentar uma escola de idiomas, e seriam instantaneamente capazes de falar a outros povos em seus próprios idiomas. Entretanto, parece que Deus não está agindo assim. As línguas não estão ocorrendo hoje em dia da maneira como ocorriam no Novo Testamento, apesar de que seria imensamente útil. A vasta maioria dos crentes que afirmam praticar o dom de falar em línguas não o faz de acordo com as passagens das Escrituras mencionadas acima. Este fato leva à conclusão de que o dom de línguas já cessou, ou é, pelo menos, raro nos planos de Deus para a igreja de hoje.

Aqueles que acreditam no dom de línguas como uma “língua para orações” para a auto edificação baseiam seu ponto de vista em I Coríntios 14:4 e/ou 14:28: “O que fala em língua desconhecida edifica-se a si mesmo, mas o que profetiza edifica a igreja.” Por todo o capítulo 14, Paulo enfatiza a importância de haver uma interpretação, uma tradução das línguas. Veja I Coríntios 14:5-12. O que Paulo está dizendo no verso 4 é: “Se você falar em línguas sem interpretação, a única coisa que você está fazendo é edificar a si mesmo, parecendo ser mais espiritual do que os outros. Se você falar em línguas e elas forem interpretadas, você estará edificando a todos.” O Novo Testamento, em nenhum lugar, dá o propósito de “orar em línguas”, ou descreve especificamente uma pessoa “orando em línguas”. Indo além, se “orar em línguas” for para auto-edificação, não é isto por acaso injusto com os outros que não têm do dom de línguas, e que por isto não poderão edificar a si mesmos? I Coríntios 12:29-30 indica claramente que nem todos têm o dom de falar em,línguas.
Os irmãos da igreja de Corinto estavam fazendo o uso errado do dom de línguas. Quando lemos especialmente o capítulo 14, percebemos que eles:

1) Não usavam o dom com o propósito evangelístico, pois falam de maneira que os estrangeiros

não entendiam – versos 9 e 11;

2) Preocupavam-se mais em “aparecer” do que edificar a igreja – versos 22 e 12;

3) Quando alguém falava em línguas (no grego, o termo significa “idiomas”), tal pessoa não sabia o que dizia ou não possuía um intérprete para ajudá-la – versos 13 e 27;

4) Usavam o dom de forma desordenada – versos 27, 33 e 40.                                

Com base nesse contexto fica mais fácil compreendermos 1 Coríntios 14:13. Paulo está dizendo, em outras palavras: “se não há uma pessoa que interprete o dom, então, você que fala em línguas, ore para que Deus dê a você a capacidade de traduzir para os estrangeiros que assistem ao culto a fim de que eles entendam a mensagem e aceitem a Jesus como Salvador”.

Embora alguns cristãos creiam que o dom de línguas em 1 Coríntios 14 seja diferente, ou seja, de uma forma “estática” e “ininteligível”, acreditamos ser ele da mesma natureza de Atos 2, Atos 10 e 19 (assim como em Marcos 16:17) por vários motivos, entre eles:

1) A expressão grega para “língua”, usada em Coríntios é a mesma utilizada em Atos 2: “glosa”, que significa “língua de nações” ou “idiomas”;

2) O verbo grego “falar” – “laléo” no mesmo capítulo refere-se à “linguagem humana usual”, do “dia-a-dia”;

3) Na expressão “línguas estranhas”, o termo “estranhas” não se encontra no original grego, contrariando assim a ideia de alguma manifestação incompreensível do dom. Veja a tradução da NovaVersão Internacional: “Pois quem fala em uma língua [ou outro idioma] não fala aos homens, mas a Deus. De fato, ninguém o entende; em espírito fala mistérios” 1 Coríntios 14:2..

Desse modo, o dom de línguas de 1 Coríntios 14 (e de outros textos) era o mesmo dado pelo Espírito Santo na ocasião do Pentecostes. E, o problema na igreja de Corinto girava em torno da forma desordenada como o dom era usado.

O dom de línguas tem propósitos evangelísticos. Se o evangelho não for compreendido, as pessoas não serão salvas.

Biblicamente, há apenas um tipo de dom de línguas: aquele pelo qual as pessoas entendem a vontade de Deus para a vida delas. 

Outras passagens que afirmam que o dom de línguas é diferente do que se vê hoje.

ATOS 19:1-10 – Nesta passagem fica claro que o dom de línguas era propósito evangelísticos porque está claro que eles através deste dom ouviam a palavra

1 COR. 12:28-31 – Nesta passagem fica claro qual o caminho mais excelente em que se deve procurar, mas para muitos infelizmente é continuar fazendo o que a Bíblia não pede que faça

1 COR. 13:1-3 – Infelizmente, ainda vemos pessoas e lideres de Igrejas afirmando que falam língua dos anjos. Está claro nesta passagem que o Apostolo Paulo para fazer uma comparação em relação ao AMOR, ele disse que se ainda se falasse a língua dos anjos ou seja se falasse ele não disse que fala, que nada seria proveitoso se não tivesse AMOR. Em nenhuma passagem Bíblica nem no antigo ou novo testamento existe uma passagem que afirme que homem fala língua de anjos, até mesmo seria uma controvérsia sendo que Deus criador de todas as línguas desde a torre de babel, e quando se manifestou na terra enviando anjos, eles falavam a língua da própria pessoa ex: Abraão, Jacó, Ló, Maria, Maria Madalena etc… Porque Deus precisaria fazer que um homem se comunicasse com outro na língua de anjos. Qual o propósito? Nenhum. Deus não é Deus de confusão 1 Cor.14:33

1 COR. 14:1-6 – Aqui fica bem claro que devemos nos preocupar em buscar o principal PROFETIZAR porque edifica. Insistir no dom de línguas é perder tempo para os dias de hoje. O que profetiza, levanta e ajuda construir a vitória pra glória de Deus, ensina e consola o oprimido. Pensar em edificar a si mesmo através de línguas estranhas, é demonstração de que a palavra de Deus não está sendo suficiente para si mesmo. 1 COR. 14:9-28

GALATAS 5:22 – FRUTOS DO ESPÍRITO – Outra coisa é que se entre os frutos do Espírito estão a PAZ, A MANSIDÃO, E O DOMINIO PRÓPRIO QUE É A TEMPERANÇA, porque existem pessoas e pastores (as) que além de falarem em línguas ainda rodopiam, caem no chão e ficam batendo a língua no céu da boca. POR QUÊ? Desculpem minha franqueza, mas os movimentos destas pessoas se parecem com os mesmos movimentos dos templos de umbanda POR QUÊ? Acho que será desnecessário eu falar.

EFESIOS 4:30-31 – NÃO ENTRISTEÇA O ESPÍRITO – Entre algumas recomendações nesta passagem para não entristecermos o Espirito Santo, está a GRITÁRIA, mas infelizmente ainda tem milhares de irmãos que ainda pregam dando pancada na Bíblia, outras gritam etc.. Não falam com palavras inteligíveis que entendam o que se diz.

JOÃO 16:8 – CONVENCER o homem do pecado – Entre tudo que vimos neste estudo, a função do Espirito Santo na terra, não é ficar causando escândalos, dançando, rodopiando, caindo, gemendo, gritando, correndo, rolando, batendo a língua no céu da boca, mas de convencer o homem do pecado para que se arrependa. Da justiça porque Ele   é a verdade que veio pela palavra de Deus e volta ao Pai. Do juízo que é alertá-lo para uma condenação eterna e faze-lo escapar do inferno e ser Salvo.

JOÃO 14 :26 E 15:26 – CONSOLADOR – Também te ensinará toda a verdade e te fará lembrar de tudo.

FAÇAM COMO MOISÉS, CONVERSE COM DEUS COMO SE ESTIVESSE DE FRENTE PRA ELE OLHANDO EM SUA FACE, E ELE TE OUVIRÁ NA MAIS SIMPLES ORAÇÃO. 

DEUS OS ABENÇOE